A ideia dos BRICS nasceu no começo da década de 2000, mas foi materializada somente em 2009 com a primeira cúpula de chefes de Estado, realizada em Ecaterimburgo, na Rússia. Há poucos dias atrás, em finais de março, ocorreu a V Cúpula, em Durban, na África do Sul. Por Nathalie Beghin, Coordenadora da Assessoria do Instituto de Estudos Socioeconômicos – INESC.

Sendo o Maranhão o Estado que conta os mais baixos índices de desenvolvimento humano (IDH), pode se inferir que direitos fundamentais das pessoas estão sendo violados de forma sistemática. Os interesses de empresas prevalecem. O Conselho Estadual de Direitos Humanos está atuando em diversas frentes para denunciar estas violações e reunir agentes e entidades para combatê-las. Neste artigo, faço um balanço da atuação do Conselho, revisitando as principais violações detectadas em nosso estado; e teço algumas previsões em torno da Conferência Estadual que está prevista para novembro deste ano. Por Jean Marie Van Damme, representante da Associação de Saúde da Periferia (ASP/MA) no Conselho Estadual de Direitos Humanos do Maranhão.

The mobilization and continuous support from society (also through international cooperation) have become crucial for further advancements in national and international public policies in which Brazil, a global player, is now performing a new role. By Arne Dale, Luciano Wolff, Mathias Fernsebner and Mara Luz

A mobilização da sociedade e a continuidade de seu apoio também através da cooperação internacional é fundamental para os avanços continuarem nas políticas públicas nacionais e internacionais onde o Brasil, como ator global, está exercendo um novo papel hoje. Por Arne Dale, Luciano Wolff, Mathias Fernsebner e Mara Luz.

Comitê Executivo do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) manifestou profunda preocupação com o aumento alarmante de ameaças à segurança humanitária na América Latina. O comitê pediu esforços renovados por parte das igrejas e do movimento ecumênico na luta por sociedades pacíficas e justas.

Anos 1960, casa de André Franco Montoro: como aluno do ensino médio do colégio Santa Cruz, fui convidado para uma reunião sobre Paulo Freire coordenada pelo professor Flávio Di Giorgi. Falamos sobre educação libertadora, analfabetismo, diálogo como método pedagógico, relação horizontal entre professor e aluno e conscientização. Ainda não tinha a dimensão da importância daquelas ideias para a minha vida. Mesmo assim, senti um encantamento.

Países como Canadá, EUA, Japão, Austrália, Nova Zelândia, entre outros, não querem firmar um segundo termo do Protocolo de Quioto. Por Iara Pietricovsky.

Artigo publicado na Revista Latinoamericana de Derecho y Políticas Ambientales. Año 2, N°. 2, Agosto de 2012. O autor é doutorando em Planejamento do Desenvolvimento Regional pelo Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da Universidade Federal do Pará – NAEA/UFPA e educador da ONG FASE Amazônia.

Por: José Antonio Moroni, membro do colegiado de gestão do Inesc e da coordenação nacional do PAD.
O  governo federal brasileiro esta  implantando uma nova metodologia e forma de organizar e publicizar o orçamento federal, por meio de alterações no PPA (plano plurianual) e na  Lei Orçamentária (LOA). Tais mudanças tendem a gerar mais dificuldade de monitoramento das ações governamentais por parte das organizações e movimentos da sociedade civil. 

Por Eliana Rolemberg e Vera Masagão Ribeiro*
A agenda de um novo marco regulatório para as organizações da sociedade civil no Brasil diz respeito a todas as entidades que lutam para o reconhecimento, a efetivação e a garantia dos direitos e que almejam uma relação entre Estado e Sociedade Civil mais qualificada e transparente. Portanto, é um sonho coletivo. Para nós, as organizações da sociedade civil devem ser reconhecidas como entes fundamentais da democracia de um país e como patrimônio social brasileiro.