Relatora de Direitos Humanos e Povos Indígenas da Plataforma Dhesca Brasil, Erika Yamada, participará de audiência com Relatora da ONU no dia 8 de março.

Documento assinado por mais de 200 quilombolas contraria parecer da Fundação Cultural Palmares que afirma que a consulta prévia foi realizada e os estudos da Mineração Rio do Norte autorizados pelas comunidades.

Um índio da tribo krenak, cujos membros vivem principalmente entre os Estados de Minas Gerais e Espírito Santo, dorme há um mês ao relento numa praça movimentada de Ipanema, no Rio de Janeiro. Ele explica o motivo: "lama, moço". Texto original publicado na BBC Brasil.

Em comemoração aos 70 anos de atuação global, a Christian-Aid foi recebida na embaixada do Reino Unido em Brasília em uma celebração que reuniu organizações parceiras de sua atuação no Brasil.

Nos últimos dias 12 e 13 de Novembro, em São Paulo, foi realizada a Roda de Diálogo internacional do PAD, que acontece a cada dois anos e tem como objetivo definir as estratégias e dinâmicas de funcionamento da organização, bem como o plano de ação para o próximo período.

Tragédia tem caráter socioambiental, mas representa uma sequência de violações de direitos que tem raiz na voracidade da expansão extrativista sem segurança promovida pelas multinacionais que exploram minério no Brasil. 

Desde a titulação pioneira da Terra Quilombola Boa Vista, no Pará, em 20 de novembro de 1995, apenas 161 terras foram tituladas. 93% das famílias quilombolas no Brasil ainda esperam que o governo garanta a efetividade do direito assegurado na Constituição Federal. Do blog da Comissão Pró-Índio SP.

O projeto de lei antiterrorismo atualmente em discussão no Congresso brasileiro está redigido em termos demasiado amplos e poderia restringir indevidamente as liberdades fundamentais, alertou, hoje, um grupo de relatores especiais da ONU (*). Texto original publicado aqui.

Em carta pública, os participantes do seminário “Terras Quilombolas e Unidades de Conservação” demandam conclusão dos processos de titulação, acesso às políticas públicas e o fim das ações repressivas do ICMBio. Texto originalmente publicado aqui.

Não apareceu nenhum líder novo, e se instaurou uma confusão, porque o velho não serve, o novo não apareceu e estamos nesse impasse”, afirma o diretor do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas – Ibase.