Que no ato   a ser realizado no dia 21, em Porto Velho, e o enterro tardio da companheira Nilce de Souza Magalhães, seja honrada sua vida, que seja honrada sua luta, companheira Nicinha!

 

 

E que todos e todas não permitam que seja perdida o memória de sua luta tão fundamental para o futuro do nosso país. 

#LightTheWay: PUBLIQUEM SUAS LUZES DE NATAL NO PRÓXIMO FINAL DE SEMANA

 

A  A comunicação do PAD produziu uma matéria especial sobre a PEC 241:

 

A PEC 241 INVIABILIZA DIREITOS GARANTIDOS PELA CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA

 

Com o objetivo de congelar gastos público e contornar a crise, proposta põe em risco a saúde, educação e assistência social no Brasil e deverá aumentar desigualdade social.

LANÇAMENTO DA AGENDA LATINO-AMERICANA 2017

No dia 21 de outubro, na Câmara Municipal de São Paulo (SP), será lançada a Agenda Latino-Americana 2017. O evento acontecerá a partir das 19h30 no Salão Prestes Maia.

 

NOTA ABONG

As medidas em votação atualmente no Congresso Nacional, se aprovadas, significarão o fim da Constituição Federal de 1988 e a eliminação dos direitos sociais por ela garantidos. A Carta Magna do país, amplamente discutida e aprovada num processo constituinte que selou o fim da ditadura civil-militar de 1964-1985, consagra os direitos que hoje regem o Brasil e os recursos para financia-los, incluindo os sistemas de saúde público (SUS), de educação pública e de previdência social acessíveis a todos/as os/as brasileiros/as.

Organizações e movimentos sociais presentes na reunião do GT Criminalização das Lutas Sociais, realizada em Brasília nos dias 06 e 07 de novembro/16, reafirmaram o seu compromisso com a democracia e com a luta pelos direitos humanos diante de um cenário de perdas de direitos e fragilidade da democracia pós o golpe parlamentar que se instalou no país. O golpe estabeleceu o Estado de Exceção legitimando atos inconstitucionais, de repressão ,  violência e prisões arbitrárias de defensores de direitos e da democracia.

Desde os tempos remotos da história temos visto os povos do mundo em rebelião. Os motivos foram – e são - pelo o que há de mais simples, pelo direito à vida com acesso a terra, ao alimento e a água.

Somos nós, as mulheres, que primeiro nos erguemos e colocamosnossos corpos nas trincheiras, nosso único recurso. Desrespeitadas, violadas, assassinadas, seguimos resistindo.

Matéria publicada hoje (27) pelo Conselho Indigenista Missionário (CIMI)

Suécia: liderança Guarani-Kaiowa denuncia a deputados acordo de exportação de carne produzida em áreas onde indígenas foram assassinados

 Por Ruy Sposati (de Gotemburgo/Suécia)