Práticas e saberes indígenas na alimentação escolar é o tema do seminário que a Comissão Pró-Índio promove no dia 4/12

Destaque: 
não

A Comissão Pró-Índio de São Paulo promoverá no dia 4 de dezembro, em São Paulo, o seminário Alimentação escolar indígena: desafios para incorporar práticas e saberes indígenas. A atividade conta com apoio de Christian Aid e DKA-Áustria. O seminário tem por objetivo contribuir para o avanço na definição de parâmetros próprios para a alimentação escolar indígena por meio da promoção de um espaço de diálogo entre os índios, os atores governamentais, e instituições não governamentais.

 

O seminário será aberto ao público, mas as vagas serão limitadas. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas gratuitamente aqui.

 

Mulheres e Merenda

A necessidade de se adequar à alimentação escolar foi colocada para a Comissão Pró-Índio pelas mulheres Guarani nas vivências de cozinhar promovidas na aldeia Tenondé Porã. Enquanto preparavam os alimentos, mulheres de diferentes gerações refletiam sobre as práticas alimentares Guarani e as dificuldades para assegurar a soberania alimentar nos dias atuais.

 

A merenda foi apontada como fator importante de inserção de novos hábitos alimentares - alguns pouco saudáveis - e modificação do paladar de jovens e crianças. “A necessidade de aprimorar a qualidade dos alimentos oferecidos nas escolas indígenas e valorizar as formas antigas de preparo dos alimentos são temas a serem discutidos com o poder público”, afirma Carolina Bellinger, assessora de coordenação da entidade.

 

O seminário de 4/12 será o segundo evento promovido pela Comissão Pró-Índio para tratar do assunto. O primeiro, a Roda de Conversa- Alimentação nas Escolas Indígenas, foi promovido em agosto de 2014 e contou com a presença de mais de 30 pessoas, dentre elas educadores e lideranças indígenas de diferentes aldeias do estado de São Paulo, representantes do Poder Público e de organizações não governamentais.

 

 

Jovens fazem a colheita do amendoim (Foto: Isabella Bellinger)

 

Agricultura Familiar e Alimentação Escolar

Um caminho para melhorar a alimentação escolar é a incorporação de produtos da agricultura familiar como indica Adriano Karaí Poty, coordenador educacional do Centro de Educação e Cultura Indígena - Tenondé Porã. Ele avalia como positiva a adoção de alimentos provenientes da agricultura familiar nos cardápios do CECI: “é importante adotar os alimentos provenientes da agricultura familiar, principalmente os locais, pois esses alimentos são de melhor qualidade.”.

 

A lei nº 11.947 de 2.009 determina que, no mínimo, 30% dos recursos repassados aos Estados e Municípios pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) devem ser utilizados para aquisição de produtos da agricultura familiar. No entanto, nem todas as escolas têm recebido esses alimentos.

 

SEMINÁRIO: ALIMENTAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA - DESAFIOS PARA INCORPORAR PRÁTICAS E SABERES INDÍGENAS         

 

Data: 4 de dezembro de 2014

Local: Centro Cultural Rio Verde - R. Belmiro Braga, 119 - Pinheiros, São Paulo - SP

Promoção: Comissão Pró-Índio de São Paulo

Apoio Financeiro: Christian Aid e DKA Áustria

 

9:00 - Abertura e boas vindas

Lucia M. M. de Andrade, Coordenadora Executiva da Comissão Pró-Índio de São Paulo

 

9:30 horas – Mesa: Alimentação para além dos aspectos nutricionais: dimensões simbólicas e políticas

Mártin César Tempass, professor colaborador no Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal de Pelotas

Pedro Luiz Macena, educador do Centro de Educação e Cultura Indígena da aldeia Tekoa Pyau

Sheyla Saori, SempreViva Organização Feminista

Sebastião Aranha, MST/Cooperativa dos Assentados e Pequenos Produtores – Coapri

Coordenação: Carolina Bellinger, Assessora de Coordenação da Comissão Pró-Índio de São Paulo

 

14:00 horas – Mesa: Alimentação escolar indígena: desafios para assegurar a diversidade de saberes e sabores

João Lira da Silva, Aldeia Itapuã, vice-diretor.

Representante da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo.

Representante da Fundação Nacional do Índio

Erika Fischer - Diretora do Departamento de Alimentação Escolar da Secretaria de Educação do Município de São Paulo

Sineide Santos - Representante do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - MEC

Antônio Ricardo Domingos da Costa – Vice-coordenador regional da APOINME e membro do CONSEA.

Coordenação: Lucia M. M. de Andrade, Coordenadora Executiva da Comissão Pró-Índio de São Paulo

Ano: 
2014
Idioma: 
Português
Fonte: 
http://comissaoproindio.blogspot.com.br/2014/11/praticas-e-saberes-indigenas-na.html